Por Juliana Monteiro de Carvalho*

Antes de explorar esse tema pouco conhecido profundamente pelas pessoas e até pelas empresas, gostaria de compartilhar um ensinamento que aprendi com a Terezinha Rios, Mestre em Filosofia da Educação e consultora sobre Ética e Valores.

Vivemos numa sociedade onde os valores morais são levados em consideração, principalmente, em relação às escolhas religiosas, políticas e de educação. Porém, pouco compreendemos sobre o significado de valores, de moral e principalmente de ética.

Terezinha Rios nos ajuda com esta compreensão dizendo que é extremamente importante saber a distinção entre Moral e Ética, não diferenciar, pois são  complementares. Isso facilita e ajuda as pessoas a compreenderem o conceito que está por trás de determinadas palavras.

E na Etimologia: Moral é More (latim) significa costume e Ética é Ethos (Grego) também significa costume.

E o que é costume? É o jeito que homem inventou de viver na natureza. Por exemplo: “os cachorros não costumam latir, eles latem” diferente de: “Nós brasileiros estamos acostumados a comer arroz e feijão todos os dias”, isso é costume.

E então cada sociedade tem os seus costumes e esses são baseados em VALORES!

E somos orientados dentro de cada sociedade a julgar o que é certo e errado! E ou dizemos: “ É assim que deve ser feito…”.

E então se constroem regras, normas e leis que dentro de uma sociedade que são consideradas corretas, caso contrário se são violadas, as pessoas são punidas. Aqui está entramos no campo da Moral, esse conjunto de prescrições que orientam as pessoas e a sociedade.

E como Terezinha fala: “E porque tenho que ser honesto e pagar impostos”? Será que isso é para o meu bem? Aqui entramos no campo da Ética.

A moral tem um carácter normativo, baseado em regras e a Ética tem um carácter reflexivo, que envolve o bem comum da sociedade.

Como identificamos Valores? E o que são Valores?

Valores direcionam o comportamento humano e governam as todas as nossas decisões. Os costumes são baseados em valores.

São estados emocionais que damos importância e que buscamos vivenciar mesmo que de forma inconscientemente.

E os nossos valores foram construídos ao longo de nossas vidas, através principalmente dos nossos pais ou das pessoas que nos educaram enquanto pequenos. Além da educação sofremos influência da nossa cultura, da nossa escola, da cidade onde moramos, da experiência de vida, através dos nossos familiares, das histórias vividas pelos nossos pais, avós, bisavós e por aí vai. Valores não mudam, eles seguem reforçando ao longo de nossas vidas.

São palavras que descrevem o que nos motivam a agir, seja de forma considerada “ruim” ou “boa”.

E dentro do tema Valores ainda temos outras ramificações:

Exemplos de valores: Liberdade, segurança, responsabilidade, contribuição, comprometimento, confiança, integridade etc. Essa lista é infinita e difere de pessoa para pessoa.

Exemplos de meios para atender esses valores: casa, empresa, carreira, carro, relacionamento, dinheiro, família, etc. Meios são formas que cada pessoa tem e escolhe para atender às suas necessidades (que estão baseadas em Valores).

Exemplos de critérios de valores: aqui são regras que ao longo de nossas vidas determinam o “Como” vamos atender os nossos valores, através desses meios que escolhi.

E por fim, a Hierarquia de Valores: ao longo de nossas vidas valorizamos coisas diferentes e os valores seguem essa priorização. Então àquela lista de valores que cada pessoa tem segue uma hierarquia, uma prioridade que sofre influência da idade, experiências, preferências que se movem ao longo da vida.

Ou seja, existe uma complexidade de temas e conceitos muito importantes e que deveriam ser levados a todos, que envolvem todas as escolhas, decisões, costumes, experiência de vida, histórias e que seria muito mais fácil lidar com o que é diferente e não melhor ou pior. E que cada pessoa tem isso como sua “bússola interna”, que acompanha ao longo de toda a sua vida e que quando conhecido, faz você ser muito mais consciente, consistente e previsível em tudo.

E valores também norteiam o que uma empresa valoriza naquilo que considera importante para a corporação. Não basta ter apenas um “banner” bonito de se ver, e sim àquilo que é importante e muito valorizado de se viver, se comportar dentro daquela empresa.

E será que as pessoas compreendem esses conceitos na empresa, onde impera um conjunto gigante de regras, normas e leis? O quão as empresas se dedicam a esta transparência em relação às essas normas e leis para benefício comum de todos?

Esse tema deveria ser a base para qualquer funcionário antes mesmo da contratação e em fase de integração na empresa.

Enquanto a moral ordena essas normas, a Ética tem a responsabilidade de pensar sobre essas normas, medir a consistência e a abrangência desses princípios com profundidade dentro das empresas.

E como Terezinha complementa: a Ética é baseada em 3 princípios:

  • Respeito: reconhecimento da existência do outro e constitui a sociedade como um todo.
  • Justiça: igualdade na diferença. Somos diferentes: homens e mulheres, pretos, brancos e amarelos, mas iguais em direitos.
  • Solidariedade: respeito levado às últimas consequências, penso no outro genuinamente.

 

Ou seja, é possível “ensinar” Ética as pessoas?

 

Você sabia que o PIR é uma excelente ferramenta para auxiliar você a desenvolver os valores da sua empresa? Clique aqui para saber mais!

 

* Esse artigo foi escrito por Juliana Monteiro de Carvalho, convidada do Blog da S2. Se você desenvolve conteúdos relacionados à fraude e assédio, e tiver interesse em ver seu texto publicado aqui, entre em contato conosco.

Share This