fbpx

Fraude corporativa e o impacto na carreira dos envolvidos!

Fonte: Site Gazeta do Povo: Fraude corporativa tem pequeno impacto na carreira dos envolvidos | Escrito por Vandré Kramer

A sensação é de que a fraude corporativa ainda compensa. Um levantamento feito pela S2 Consultoria, especializada em gestão de risco, aponta que o impacto na carreira de funcionários que cometeram fraudes é pouco expressivo.

“Muitas empresas ainda não aplicam processos disciplinares por medo de enfrentarem demandas judiciais no futuro”, aponta Renato Santos, sócio-fundador do Instituto de Percepção do Risco Comportamental (IPRC).

A pesquisa aponta que os profissionais que se envolveram em fraudes levaram, em média, quatro meses para iniciar uma nova atividade. É três vezes menos do que as pessoas levam para se recolocarem no mercado de trabalho, de acordo com dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).

Dois terços dos profissionais conseguiram uma recolocação em uma empresa privada e um terço como empreendedor. Segundo Gustavo Melchiori, pesquisador responsável, a rapidez na recolocação desses profissionais no mercado de trabalho mostra a fragilidade das empresas em identificar esse perfil de risco durante processos seletivos.

Um dos fatores que contribui para isso, de acordo com Santos, pode ser o perfil “mais envolvente e mais sociável” dos profissionais que se envolveram em fraudes. Três em cada quatro pessoas continuam atuando na mesma área e 50% dos fraudadores foram promovidos no novo emprego.

Oportunidades para a fraude

Segundo o relatório da pesquisa,
Isto nos permite entender que, em muitos casos, estes profissionais podem se deparar com uma oportunidade para seguir fraudando, afinal, estão agora munidos de maior responsabilidade e poder de decisão; entretanto, essas informações são de difícil consulta, uma vez que, mesmo quando ocorre a demissão por justa causa, tais informações não ficam registradas, seja na carteira de trabalho ou qualquer outra plataforma de acesso público.
Relatório do IPRC
Isto, segundo Santos, dá a ideia da percepção de que existe a impunidade e ajuda a fomentar uma cultura da fraude. “E, em muitos casos, há um certo espírito de benevolência por parte dos colegas do fraudador.”
Outro aspecto que favorece essas práticas é a cultura do ‘jeitinho’.  O especialista aponta que isto, muitas vezes, serve de justificativa para o fraudador.

 

Mudanças a caminho

Mas, Santos aponta que existem soluções para combater a fraude corporativa. Algumas delas já começam a ser colocadas em prática nas empresas brasileiras. Uma das soluções que vem ganhando destaque são os testes de ética e integridade, que ajudam os empregadores a identificar o grau de resiliência dos colaboradores em situações de dilemas éticos.

Outra é o aumento da capacitação em relação ao tema. Uma pesquisa divulgada pela consultoria KPMG no ano passado mostra que 28% dos profissionais não tinham recebido treinamento em corrupção e compliance em um período de 12 meses. E quando se refere a relacionamento de empresas com terceiros, 61% deles não receberam treinamento sobre o assunto no período.

O relatório da pesquisa da IPRC aponta que outra solução seria a existência de leis para a criminalização da corrupção na esfera privada, além do reforço de medidas que coíbam essas atitudes.”

Copyright © 2019, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

Conte com a S2, acesse o nosso site e peça o link de uma degustação PIR.

Conheça o PIR

S2 Consultoria

A S2 desenvolve a Integridade Resiliente dos profissionais e organizações por meio de métodos empáticos e pragmáticos.

Todos os direitos reservados © S2 Consultoria

Share This