A oportunidade faz o fraudador?

Apresentamos no artigo Você sabia que corrupção é apenas uma forma de fraude, a taxinomia da fraude, com objetivo de afastar a ideia de que tudo se resume à “Corrupção”, linha de pensamento reforçada após a entrada em vigor da lei anticorrupção brasileira.

Já nesta série de artigos, iremos abordar as causas mais relevantes da fraude, assumindo que é um fenômeno complexo-dinâmico não linear, ou seja, que sofre alterações constantes, no qual os fraudadores se tornam mais sofisticados e habilidosos na sua execução. A fraude apresenta aspectos estruturados que permitem o reconhecimento de alguns padrões e portanto, é imprescindível investir em modelos de mitigação.

 

Oportunidade: uma das 5 vertentes do Pentágono da Fraude!

 

A primeira condição que o fraudador precisa ter para fraudar é a: oportunidade. Mas isto não significa que a oportunidade é uma causa isolada. Mesmo porque, se acreditarmos nesta premissa, a ocasião faz o fraudador (paráfrase do dito popular “a ocasião faz o ladrão”) – teremos que assumir que iríamos furtar um celular esquecido em uma das salas de reuniões na empresa. Hipótese inadmissível, não é mesmo?

Fatores ambientais são determinantes para a criação da oportunidade para o fraudador. Um ambiente regulado, com controles internos, sistemas de detecção e Programas de Compliance efetivos, minimizam a ocorrência de fraudes.

Uma observação importante é que essas falhas que oportunizam fraudes são culpa da própria empresa! Se todo ano houvesse inventário isento da auditoria, por exemplo, a fraude já teria sido identificada há muito tempo!

 

Relatos de funcionários sobre as falhas das empresas

 

Analise a expressão de um fraudador confesso, relatada na pesquisa do “Pentágono da Fraude”: “inventário isento”. Significa que o fraudador tem noção de que existe um inventário, mas ao mesmo tempo sabe que é meramente burocrático. Portanto, cabe refletir sobre o que é mais nocivo? Possuir ferramentas ilusórias de controle ou não ter tais ferramentas?

Um exemplo também muito comum em diversas empresas, é a política que determina a realização de três cotações no processo concorrencial. Já tratamos diversos casos de fraudes, ocasionados por uma necessidade de contratação de um fornecedor por sua qualidade ou conhecimento técnico, em que o funcionário burla o processo concorrencial apenas para cumprir a política. Conforme a fala de outro fraudador confesso:

“Algumas vezes abrimos o preço para a concorrência para ganhar a concorrência…isso fazemos algumas vezes para ficar o fornecedor que confiamos…”

Tratamos de “Falso Controle” neste artigo como uma das causas de ocorrência da fraude, mas e quando não há controle? Será que a sua empresa prefere evitar Programas de Compliance para não encontrar irregularidades?

Solicite um teste grátis da ferramenta Compliance on Demand, você poderá descobrir o que se passa nos bastidores da sua organização e no seu próprio comportamento.

S2 Consultoria

A S2 desenvolve a Integridade Resiliente dos profissionais e organizações por meio de métodos empáticos e pragmáticos.

Todos os direitos reservados © S2 Consultoria

Share This